Seguir por Email

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

teoria de voo de helicóptero




ÍNDICE

 

 

Tipos de Vôo ...........................3

 

Vôo pairado ............................3

 

Arrasto de Fuselagem ...................4

 

Efeito de Cone .........................4

 

Efeito de Solo .........................5

 

Ressonância com o Solo .................5

 

Vôo com deslocamento ...................5

 

Efeito Pendular ........................7

 

Dissimetria de Sustentação .............7

 

Sustentação de Deslocamento ............8

 

Fluxo Transverso .......................8

 

Distribuição da Sustentação ............9

 

Estol ..................................9

 

Curva do Homem Morto ..................12

 

Fator de Carga ........................12

 

Velocidades............................13

 

Auto-rotação ..........................13

 

Estabilidade ..........................15

 

Precauções Gerais .....................16

 

Condições de vôo X Performance  .......17

 

Manobras de Vôo .......................19

 

Dicas para um bom vôo .................26

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TEORIA DE VÔO





TIPOS DE VÔO

O helicóptero, por possuir asas rotativas, tem a capacidade de executar o vôo pairado, pois as pás estão em deslocamento em relação ao vento, e o vôo com  deslocamento.


VÔO PAIRADO (rover – do inglês Hover)
Tipo de vôo no qual o helicóptero se encontra imóvel em relação a um ponto, diz-se do helicóptero em vôo pairado, está roverando. Teoricamente, a velocidade no vôo pairado não é zero, pois, a velocidade do helicóptero depende da velocidade do vento relativo (para a aerodinâmica tanto faz, o corpo ou o vento em deslocamento), sendo a posição do disco de rotação, inclinada na direção contrária e na mesma intensidade do vento, na qual o helicóptero terá todas as reações de que como estivesse voando horizontalmente na velocidade do vento.
No pairado existem três grandes forças verticais que na realidade resumem-se a duas, que são iguais, porém em sentido contrário. São elas: Sustentação ( L ) e Peso( W ), que é acrescido da terceira força que é o Arrasto de Fuselagem (DF ou DP).
No vôo pairado, sem vento, a sustentação é uniforme, as duas metades do disco de rotação (esquerda e direita) estão operando com a mesma velocidade aerodinâmica, ângulos de ataque iguais e, portanto sustentação igual em todo o disco. Nesta situação o disco de rotação e as estrelas estacionária e rotativa estão paralelos entre si e ao solo, entretanto, a rigor, todo o conjunto está ligeiramente inclinado para a esquerda (helicópteros anti-horário) para compensar o torque, na verdade para compensar a deriva para a direita provocada pelo rotor de cauda.
O empuxo resultante das forças do rotor principal é para cima, de modo que é exercida sobre a massa de ar uma força para baixo.

NOTA: O peso máximo de decolagem e o teto máximo para o vôo pairado podem ser definidos pela limitação de potência, melhor do que pela capacidade aerodinâmica de sustentação do rotor principal.





ARRASTO DE FUSELAGEM (DF OU DP)
É o arrasto provocado pelo ar jogado para baixo, pelo rotor principal, que vai de  encontro com a fuselagem. É uma força na perpendicular do vento relativo, portanto uma força vertical que não colabora em nada para a sustentação, tem sentido contrário a esta. É um dos fatores que limitam o teto máximo no vôo pairado, sendo uma característica deste tipo de vôo, pois, em deslocamento (+/- 15 MPH) esta força desaparece, devido á inclinação do disco de rotação e ao aparecimento do vento relativo, fazendo com que o ar jogado para baixo incline-se para trás.




EFEITO DE CONE

É o enflexamento excessivo (para cima) das pás do rotor principal que não giram no plano recomendado, causando além de uma perda muito grande da sustentação (diminui a área útil de sustentação), um esforço muito grande de flexão nas pás, podendo resultar na quebra destas.
É provocado pela composição de duas grandes forças: sustentação e centrífuga (aumento da sustentação e decréscimo da centrifuga). É agravado em atitude de cabradas, curvas ou manobras bruscas, peso excessivo, ventos ascendentes e principalmente baixa RPM, fatores que aumentam consideravelmente o fator carga.
OBS: - A diminuição da RPM acentua o efeito de cone, aumentando a possibilidade de quebra das pás;
     - O aumento excessivo da RPM provocará uma antecipação do efeito de compressibilidade, como também uma quebra das pás (largar a pá do punho) causada pelo aumento da força centrífuga.
Por este motivo existe um limite de RPM (estipulado pelo fabricante do helicóptero) tanto para mais como para menos.

NOTA: Um certo cone é tolerado e inevitável, principalmente nos rotores articulados (movimento livre das pás) não podendo, entretanto, ter um ângulo muito acentuado, o que caracteriza o Efeito de Cone.
EFEITO DE SOLO (FLUTUAÇÃO)
É o ganho extra de sustentação que o helicóptero adquire, sendo máximo quando se encontra no vôo pairado até uma altura máxima de metade do diâmetro do rotor principal, resultando em um aumento do teto do helicóptero no vôo pairado. A partir desta altura, metade do diâmetro do rotor principal, perde completamente a sua eficácia.
É uma consequência do ar comprimido (alta pressão) pelo rotor principal, contra o solo, formando um colchão de ar abaixo da área de cone. A direção e a quantidade de ar são de grande importância, sendo o efeito diretamente proporcional ao ângulo de ataque das pás do rotor principal, neste caso tem maior importância que a RPM, provocando um aumento da densidade do ar abaixo do disco de rotação que voltará de encontro ao rotor principal, aumentando a sustentação deste.
É a aplicação da Terceira Lei de Newton, onde o helicóptero está “tentando empurrar a Terra para baixo”.
O tipo de terreno também é de grande importância, pois quanto mais consistente e plano for o terreno, maior a quantidade de ar defletida (para cima e para fora) aumentando a sua eficiência, perdendo eficácia em grama, capim alto e água onde o efeito é praticamente desprezível. Ao sair dos parâmetros do efeito de solo, a pressão positiva (alta) abaixo de área do cone dissipa-se rapidamente.
É conhecido internacionalmente pelas siglas:
IGE (In Ground Efect)  = Dentro do Efeito de Solo

OGE (Out Ground Efect) = Fora do Efeito de Solo
Ver vídeo da saída do Efeito de Solo, AFUNDAMENTO, na pasta VIDEOS AVIAÇÃO



RESSONÂNCIA COM O SOLO

É sentida como uma vibração violenta e progressiva, devido ao desequilíbrio do colchão de ar sob o rotor principal. É causada pela descentralização do centro de massa do rotor, que por sua vez é causado pelo movimento de avanço e recuo da pá.
Muita atenção: esta vibração pode destruir o helicóptero em questão de segundos.
A ressonância é sempre uma probabilidade, que só ocorrerá com o helicóptero dentro do efeito de solo.
Sendo que a probabilidade aumenta bastante em helicópteros com: rotor articulado, amortecedores de arrasto descalibrados, pneus e amortecedores no trem de pouso descalibrados, terrenos acidentados ou de consistência diferente, engrazamento e desengrazamento do rotor com o motor, cheque de magnetos, táxi, pousos e decolagens.
Correções:
1 – Se com RPM (potência) suficiente, tirar o helicóptero imediatamente do efeito de solo;
2 – Se com baixa RPM (potência), fechar toda a manete, coletivo em mínimo e aplicar o freio do rotor (com as devidas precauções).
Ver vídeo GROUND RESONANCE, RESSONÂNCIA 1 e 2, na pasta Vídeos Aviação.

 

Faça o Teste GR I


VÔO COM DESLOCAMENTO

Devido à maneira com a qual emprega as asas o helicóptero pode fazer três tipos de vôo, que são: Pairado (sem movimento em relação ao solo), Vertical (sustentação maior que o peso) e Horizontal (tração maior que o arrasto).

Vertical


Com o helicóptero no pairado puxa-se o coletivo, alterando o ângulo de ataque das pás coletivamente (em todos os setores do plano de rotação as pás tem o mesmo ângulo de ataque), tendo-se uma maior ou menor sustentação (coletivo para cima ou para baixo), com mais coletivo a sustentação fica maior que o peso fazendo o helicóptero subir.

               Tração = arrasto                            Tração = arrasto
  Sustentação maior que peso = vôo ascendente         Sustentação menor que peso = vôo descendente


Horizontal

Nas aeronaves de asas fixas, a força de tração é obtida da força provocada pela hélice, puxando o ar para trás. Nas aeronaves de asas rotativas é obtida pela inclinação do vetor sustentação que decompõe com o peso, fato muito mais complexo e que gera várias outras forças, algumas benéficas e outras maléficas ao vôo.
A força de tração é conseguida pela inclinação do comando cíclico (ângulos diferentes em cada setor do plano de rotação – através da unidade misturadora), aumentando a sustentação na metade traseira e diminuindo na metade dianteira do plano de rotação, fato que provocará uma inclinação neste. Esta inclinação deve-se exclusivamente a mudança de passo cíclica (ângulos diferentes para cada setor que a pá se encontre).
Com a decomposição da sustentação em duas forças, uma vertical (R.A – resultante aerodinâmica) e outra inclinada na direção da metade mais baixa do plano de rotação, sendo que é desta combinação de forças (peso e sustentação) que surgirá a força de tração. Que é uma força na horizontal, portanto mesma direção e sentido contrário ao vento relativo.
Ao aparecer a tração, tem-se o aparecimento do efeito pendular (o helicóptero – fuselagem - tem a tendência de inclinar-se  no mesmo sentido do plano de rotação); mais a diminuição da sustentação em função da inclinação do plano de rotação e a perda do efeito de solo, faz com que o helicóptero tenha a tendência de afundar por inteiro no início do deslocamento, havendo uma necessidade de maior potência para manter-se a altura do vôo. A tração é inversamente proporcional a sustentação; maior tração, maior inclinação do disco de rotação, resultando em uma menor sustentação.

Desta forma chega-se a conclusão que a direção e velocidade são uma consequência direta do batimento forçado pelo comando cíclico.
                 Tração maior que arrasto = vôo em aceleração
                Tração menor que arrasto = vôo em desaceleração
   OBS: Devido a inclinação do plano de rotação para um aumento da velocidade, a sustentação diminuirá,
        e com a diminuição da velocidade, a sustentação, aumentará.
EFEITO PENDULAR
Nos helicópteros o CP fica muito acima do CG, e quando um deles é deslocado, cria uma tendência para que o CG se alinhe com a força de sustentação, iniciando um movimento pendular (igual ao pendulo de um relógio).
É o movimento lateral ou longitudinal, característico das aeronaves de asas rotativas que se progressivo pode tornar o helicóptero incontrolável, chegando a ponto de “derrubá-lo”.
Surge por causa da inércia da fuselagem em acompanhar o movimento de inclinação do plano de rotação e pelo Efeito da Rigidez Giroscópica que tende a manter um corpo em seu momento de equilíbrio, que no caso do helicóptero é bem acentuado devido a distância entre o rotor e a fuselagem, fazendo com que o mastro tenha a tendência de alinhar-se perpendicularmente ao plano de rotação. O Efeito Pendular é agravado com comandos ou correções bruscas no cíclico.
Em caso de entrar-se neste efeito o procedimento mais correto será a parada total da mão (comando cíclico), e não tentar a correção da tendência.


      cíclico em neutro              cíclico no sentido longitudinal      cíclico no sentido lateral

Ver vídeo PENDULAR (PIASECKI H21, na pasta Vídeos Aviação).

DISSIMETRIA DE SUSTENTAÇÃO (EFEITO TRANSLACIONAL)
Foi o fato que mais problemas trouxe para o desenvolvimento do helicóptero, sendo somente, resolvido por Juan de La Cierva, na década de 20.
Dissimetria de Sustentação ou Efeito Translacional é a desigualdade de sustentação entre a metade direita do plano de rotação (pá que avança) e metade esquerda (pá que  recua). Essa  desigualdade  deve-se a velocidade do ar que passa sobre as pás (velocidade aerodinâmica). A pá que avança tem uma velocidade aerodinâmica maior que a pá que recua, sendo a sustentação igual à massa de ar que passa por um aerofólio na unidade de tempo, tem-se maior sustentação na metade direita do plano de rotação.
Manifesta-se no início do deslocamento (no vôo pairado, sem vento, a velocidade aerodinâmica das pás é igual nas duas metades do plano de rotação). Porém, quando é iniciado o deslocamento, a pá que avança terá maior sustentação em relação a que recua, embora a RPM seja a mesma, a velocidade aerodinâmica é maior na pá que avança, fazendo com que o helicóptero tenha a tendência de: girar “touneaux” (rolamento) para a esquerda.
A solução para este problema é alterar a sustentação através da mudança de passo cíclica, pá que avança, maior sustentação, menor ângulo de ataque; pá que recua, menor sustentação, maior ângulo de ataque. Esta mudança de passo cíclica é conseguida pelo uso da Unidade Misturadora (Swash Plate). Por uma ação do cíclico tem-se a inclinação da estrela estacionária, que por sua vez, através de rolamentos, inclinará a estrela rotativa que está ligada ao rotor principal por hastes, alterando o ângulo de ataque de cada pá de acordo com o setor do plano de rotação que esta se encontre.
Desta forma tem-se uma sustentação igual em todo o plano de rotação, fazendo o helicóptero deslocar-se em velocidade constante, porque para aumentar a velocidade tem-se que inclinar mais o plano de rotação, desigualando novamente a sustentação, tendo um novo ângulo para cada setor que a pá se encontre, equalizando novamente a dissimetria de sustentação.
NOTA: 01- As explicações acima têm como base os helicópteros que giram o seu rotor principal no sentido anti-horário, para os helicópteros horários tem-se os mesmos efeitos porém com lados invertidos.
      02- O rotor de cauda também sofre o problema da dissimetria de sustentação que é anulada pelo batimento em conjunto de suas pás.


      Ver mudança de passo no heloblades, na pasta adicional.


SUSTENTAÇÃO DE DESLOCAMENTO (EFEITO DE TRANSLAÇÃO)
É a sustentação adicional que o rotor principal desenvolve quando o helicóptero entra no vôo com deslocamento horizontal. Sendo efetiva quando o helicóptero atinge a velocidade de +/- 15 MPH, devido ao aumento da eficiência do rotor principal; a velocidade do ar induzido para baixo soma-se a velocidade de deslocamento, fazendo com que o ar passe mais facilmente pelo rotor. Neste caso, a potência requerida será menor, porém, crescendo com a velocidade, sendo mais eficaz entre as velocidades de 40 a 60 MPH.
Para velocidades superiores a 60 MPH, quando as resistências parasitas vencem o efeito de translação, a potência requerida deve aumentar (em maior proporção) com a velocidade, necessitando de maior potência para manter a altitude.




FLUXO TRANSVERSO

É a diferença de arrasto entre a parte dianteira e traseira do disco de rotação, causada pelo ar desviado pela dianteira (maior velocidade para cima) e na parte traseira (maior velocidade para baixo), resultando numa maior permanência das partículas de ar sobre o aerofólio, devido ao maior ângulo de ataque (pá que recua – setor traseiro esquerdo). Este fato gera um arrasto induzido maior na parte traseira do disco, provocando, além de uma vibração lateral de 2:1 (freqüência intermediária), uma tendência no rotor principal em cabrar, sendo esta tendência diretamente proporcional à velocidade de deslocamento, sendo mais acentuada entre as velocidades de 11 e 23 MPH.

DISTRIBUIÇÃO DA SUSTENTAÇÃO

Pelo tipo de asa (rotativa) que possui, pode-se distinguir “várias sustentações” no vôo do helicóptero, que são: Em torno do aerofólio (extra e intradorso), ao longo da pá (raiz e ponta) e ao longo do disco.
1- Em torno do aerofólio – De acordo com o Princípio de Bernoulli, se a velocidade do ar aumenta sua pressão estática diminui. Como o ar é acelerado no extradorso, este terá uma menor pressão estática, colaborando com um percentual que varia de 70 a 100 % da sustentação. Com a desaceleração do ar no intradorso, tem-se maior pressão estática, que vai colaborar com um percentual que varia de 00 a 30 % da sustentação. Desta forma pode-se chegar a conclusão que o maior percentual de sustentação vem do diferencial de pressão entre extra e intradorso, em relação ao ar que é jogado para baixo pelas pás do rotor principal.
2- Ao longo da pá (raiz, intermediária e ponta) – Apesar de girar com a mesma RPM, a ponta da pá tem uma velocidade aerodinâmica maior que a raiz (velocidade da ponta em torno de 500 MPH – velocidade da raiz em torno de 00 (zero)MPH), como a sustentação varia com o quadrado da velocidade, a ponta da pá tem uma sustentação muito maior que a raiz. Para compensar esta distribuição desigual da sustentação, a pá apresenta uma torção em torno de seu eixo longitudinal, onde, na raiz o ângulo de ataque é maior que o da ponta, ficando a estação intermediária como a que mais colabora para a sustentação ao longo da pá.
3- Ao longo do disco de rotação (parte dianteira x traseira, través direito x esquerdo) – No vôo pairado ou retilíneo uniforme, vôo de cruzeiro (sem aceleração e/ou curva), a sustentação é igual em todo o disco de rotação. Fora destas situações, a sustentação será desigual em determinadas partes do disco, dependendo do comando (cíclico) utilizado. Com aceleração positiva a sustentação será maior na parte traseira do disco, em curvas para a direita maior na esquerda e vice-versa.

Faça o teste GR II

ESTOL

É a perda de sustentação repentina, devido a separação dos filetes de ar do aerofólio, produzindo um fluxo no sentido reverso (turbilhonamento). Neste momento o ar, turbilhonado, aumenta a pressão no extradorso, diminuindo ou acabando com o diferencial de pressão, principal fator de sustentação. No perfil simétrico este fato é retardado devido ao pequeno “passeio” do centro de pressão.
O estol pode ser antecipado por vários fatores, entre estes se destaca a altitude, devido a baixa densidade do ar, sendo também antecipado a baixa altitude, porém com elevada umidade e altas temperaturas.
No helicóptero pode-se destacar os estois de: Potência, Turbilhonamento, Pá e Ponta de pá.


ESTOL DE POTÊNCIA

Tem como característica a velocidade nula, sendo agravado em situação de baixa RPM e baixa densidade. Surgindo da tentativa de fazer o vôo pairado, principalmente fora do efeito de solo, não sendo suficiente a potência para tal. Situação esta que leva a um grande ângulo de ataque, porém, o helicóptero começa a afundar com razão de descida crescente.
RECUPERAÇÃO: Coletivo em mínimo (a pá está com grande ângulo de ataque, exigindo uma maior potência e uma maior RPM), cíclico para frente (na tentativa de ganhar a sustentação de deslocamento), e RPM para o máximo recomendado (sustentação varia com o quadrado da velocidade – RPM).
OBS: No vôo pairado ou em baixa velocidade há de se prestar especial atenção quando se voa de um local de alta densidade para um local de baixa densidade, devido ao estol de potência.






ESTOL DE TURBILHONAMENTO (ANEL DE VORTICIDADE)
Caracteriza-se pelo turbilhonamento excessivo do ar causado pela passagem o aerofólio chegando a criar um anel de vórtice em toda a área da pá, quando se perde toda a sustentação, que resultará em um afundamento violento do helicóptero.
Podendo ocorrer em duas fases: no vôo com potência e no vôo sem potência (auto-rotação).
VÔO COM POTÊNCIA: Pode ocorrer em uma grande razão de descida com pouco ou nenhuma velocidade de descolamento horizontal. Como a aeronave esta descendo, pega o ar turbilhonado, na área abaixo do rotor, turbilhonando-o ainda mais e assim sucessivamente, até criar o anel de vorticidade ao longo da pá. Neste ponto o helicóptero começa a afundar violentamente e os comandos atuam com um retardo considerável.
RECUPERAÇÃO: Coletivo em mínimo para diminuir o turbilhonamento; cíclico à frente, para ganhar a sustentação de deslocamento e deixar o ar turbilhonado para trás e RPM no máximo recomendado.

Obs: A razão de descida crítica varia de acordo com o peso, RPM do rotor, altitude, densidade e outros fatores pertinentes, porém uma maior incidência foi percebida entre +/- 500 e 1000’, com velocidade inferior a 30 Kt.

Descida vertical com potência muito acentuada


VÔO SEM POTENCIA (AUTO-ROTAÇÃO): Pode ocorrer no momento seguinte ao flare (parada rápida), no qual é acionado o coletivo, para cima, a fim de amortecer o pouso.
NOTA: Em auto-rotação o fluxo do ar no motor principal tem seu sentido invertido, passando de baixo para cima, estando turbilhonado na área acima do rotor. Quando o coletivo é acionado puxa este ar para baixo, podendo criar o anel de vorticidade.
RECUPERAÇÃO: Mesmo procedimento do item anterior.

ESTOL DE PÁ

É o principal fator da limitação de velocidade do helicóptero no vôo para frente, resultando na perda de sustentação da pá que recua devido ao seu grande ângulo de ataque.
A  pá  que  recua  tem  uma velocidade aerodinâmica muito menor que a pá que avança (dissimetria de sustentação), para compensar esta falta de sustentação ela trabalha com um ângulo de ataque muito maior. À medida que aumenta a velocidade, o ângulo também é aumentado, podendo chegar a um limite máximo, ultrapassando o ângulo de estol e perdendo a sustentação.
Este estol começa na raiz da pá (maior ângulo) caminhando para a ponta, sendo sentido com maior intensidade quando estola a região intermediária (região de maior sustentação).
O estol da pá que recua, acontece no través esquerdo (posição 270º), momento que a pá está mais a favor do vento relativo. Porém só é sentido 90º depois (precessão giroscópica), na parte traseira do disco de rotação (posição 180º). Este fato resultará em uma violenta cabrada do helicóptero.
Nota: Esquema para helicóptero anti-horário
Fatores que podem antecipar ou agravar o Estol de pá: Peso excessivo, Elevada altitude densidade (AD – ar rarefeito), Baixa RPM do rotor principal, Manobras bruscas, posicionamento do CG e o principal fator Elevada velocidade.

Recuperação: Coletivo em mínimo para diminuir o ângulo de ataque, cíclico para trás para diminuir a velocidade, RPM no máximo recomendado para aumentar a sustentação.
Grande ângulo de ataque


ESTOL DE PONTA DE PÁ (EFEITO DE COMPRESSIBILIDADE ou ESTOL DE MACH)
O estudo do fenômeno da compressibilidade do ar é muito complexo, fugindo ao objetivo desta apostila, onde, porém, torna-se necessário uma pequena explicação deste fenômeno.
No vôo subsônico, o ar é considerado um fluido incompressível, podendo ser desprezadas as variações de densidade e temperatura, causadas pelo movimento do aerofólio. Quando a velocidade de escoamento do ar atinge velocidade próxima a do som, o ar passa a ser um fluido compressível, daí o termo “efeito de compressibilidade”, variando completamente o seu comportamento.
A compressibilidade surge com a formação da onda de choque sobre o aerofólio em velocidade muito elevada (velocidade transônica). A onda de choque por sua vez surge com a desaceleração muito rápida do escoamento do ar, deslocando os filetes de ar (camada limite), ocasionando um turbilhonamento e a consequente perda repentina de sustentação ou estol.

O estol de ponta de pá é causado por velocidade excessivamente alta, portanto, afetará primeiro a ponta da pá que avança. Causando uma vibração e uma tendência de rolamento para a direita do helicóptero.
Recuperação: Coletivo em mínimo, cíclico para trás e manter a RPM (que não pode ser aumentada, que neste caso aumentará a velocidade da pá, aumentando o efeito do estol).

 RECUPERAÇÃO DOS VÁRIOS TIPOS DE ESTOL
 

              ESTOL      COLETIVO    CÍCLICO   MANETE    CARACTERÍSTICA
                                                         VELOCIDADE NULA
              POTÊNCIA   MÍNIMO      FRENTE    MÁXIMO    FALTA DE POTÊNCIA
 

              TURBILHO   MÍNIMO      FRENTE    MÁXIMO    POUCA VELOCIDADE
              NAMENTO                                    GRANDE RAZÃO DE DESCIDA
 

              PÁ         MÍNIMO      TRÁS      MÁXIMO    PÁ QUE RECUA
                                                         MUITO ÂNGULO
 

              PONTA DE   MÍNIMO      TRÁS      MANTER    PÁ QUE AVANÇA
              PÁ                                         MUITA VELOCIDADE
 

OBS: No quadro acima, rpm (manete) no máximo, significa no máximo recomendado pelo fabricante da aeronave.

CURVA DO HOMEM MORTO (RELAÇÃO ALTURA X VELOCIDADE).
É o gráfico determinado por eixos cartesianos com dados de altura x velocidade, identificando as partes do envelope de vôo a partir das quais pode ser efetuado um pouso com segurança após uma pane do motor. Enfim, mostra as condições em que se deve operar o helicóptero com margem de segurança.
Este gráfico é normalmente encontrado no Manual de Vôo, sendo específico para cada tipo de helicóptero.

OBS: Não é necessário encontrar-se em vôo curvilíneo para estar dentro da “curva do homem morto”, em vôo retilíneo também se pode estar dentro dela. O termo curva vem do desenho descrito pela linha do gráfico.

Área A – Pode-se efetuar um pouso em auto-rotação, com segurança.
Área B – Impossível estabelecer um planeio em auto-rotação em caso de pane no motor, por motivo da grande desaceleração do rotor principal, causada pelo grande ângulo de ataque, baixa velocidade e pouca altura.
Área C – Quase impossível estabelecer um planeio pela grande desaceleração do rotor principal, sendo que um pouso somente seria possível em área pavimentada, pois o contato com o solo seria com grande velocidade, pois a pequena altura não permitiria uma maior redução da velocidade.
Área D – Praticamente impossível estabelecer um planeio em auto-rotação, pelas mesmas razões de “C”, sendo que o pouso exigirá uma grande habilidade do piloto, mesmo em área pavimentada, pois, o contato com o solo se daria a uma velocidade muito alta (além do limite) e de uma forma bastante violenta.

 

 

FATOR CARGA

É o peso do helicóptero medido na cabeça do rotor principal, que em caso de curvas, parada rápida, recuperação de mergulho ou manobras bruscas, aumenta consideravelmente podendo levar à quebra das pás do rotor principal.
O fator carga varia na razão direta do co-seno do ângulo da inclinação da curva ou manobra,  de tal  forma  que no vôo retilíneo horizontal o fator carga será igual a 1 G (uma gravidade ou um peso do helicóptero).
Este aumento de peso dá-se pelo aparecimento de mais uma força que vai atuar sobre a fuselagem, puxando-a para fora do centro do movimento curvilíneo; que é a força centrífuga.
O aparecimento desta nova força acarretará uma diminuição na amplitude do disco, diminuindo ainda mais a sustentação.
O fator carga é inversamente proporcional ao raio da curva, quando menor o raio, maior o fator. Podendo ser calculado pela seguinte formula:
N= W x _1___ ( N: fator carga, W: peso da anv, α: ângulo de inclinação do disco )
       Cos α



VELOCIDADES

VNE (Velocidade Nunca Excedida) – É a velocidade limite para o helicóptero em virtude de (em ordem decrescente): Estol de pá, Estol de ponta de pá, Potência necessária, Esforço na estrutura.
Esta velocidade sofre uma variação (diminui) com os fatores que aumentam o ângulo de ataque da pá que recua, que são: altitude densidade, peso, baixa rpm no rotor principal, posição do cg e turbulência.
OBS: Mesmo restando amplitude do comando esta velocidade não deve ser ultrapassada.
Velocidade de Menor Ângulo de Descida (máximo alcance) – É a velocidade que permite ao helicóptero percorrer uma maior distância, principalmente no caso de pane no motor. Em caso de uma descida normal esta será a velocidade recomendada, pois permite um melhor planeio.
No caso de descida, é menor que a de menor razão de descida.
Velocidade de Menor Razão de Descida (máxima autonomia) – Permite que o helicóptero voe por mais tempo.
Velocidade de Máximo Ângulo de Subida – O helicóptero sobe com o maior ângulo possível, sendo ideal para decolagem em área restrita, pois permite livrar os obstáculos mais facilmente. Mesmo durante uma decolagem normal é recomendado o uso desta.
No caso de subida, é menor que a de máxima razão de subida.
Velocidade de Maior Razão de subida – Permite ganhar altura o mais rápido possível, é a velocidade que deixa uma maior potência disponível.

Faça o teste GR III


AUTO-ROTAÇÃO

É a capacidade que o helicóptero tem de manter suas pás girando, no mesmo sentido e velocidade, no caso de uma falha do motor, assegurando a perfeita manobrabilidade da aeronave e permitindo um pouso com segurança em condições de emergência.
Em auto-rotação as pás se mantêm girando por efeito aerodinâmico e por ação mecânica da roda livre, que libera o rotor do motor (desengrazamento). O fluxo de ar tem seu sentido invertido, passando pelo rotor principal de baixo para cima e formando um grande ângulo de ataque (daí a necessidade de comandar coletivo em passo mínimo imediatamente para que a RPM do rotor não caia em demasia).

Sentido do fluxo de ar durante a auto-rotação (reverso)

Para que o vôo e, principalmente, o pouso em auto-rotação seja seguros é necessário que o piloto tenha conhecimento das velocidades de maior alcance e menor razão de descida (é menor que a primeira), as quais variam de helicóptero para helicóptero. Sendo a velocidade de +/- 60 MPH ideal para a maioria dos helicópteros, dependendo da direção e velocidade do vento natural.
Operando o helicóptero com peso máximo, elevada AD e vento forte, a velocidade deverá ser ligeiramente maior que a recomendada, para uma menor razão de descida; por outro lado, com o helicóptero leve, baixa AD e vento fraco, a velocidade deverá ser ligeiramente menor que a recomendada.
A falha do motor será percebida por uma forte guinada (esquerda nos anti-horários e direita nos horários) e por um baixamento  do nariz. Desta forma, o helicóptero em auto-rotação terá a tendência de curva para o lado de rotação do rotor principal e em picar.

Comandos a serem usados em auto-rotação.
-Cíclico – Depende da velocidade de deslocamento e da direção e velocidade do vento (ligeiramente para direta, nos anti-horários, esquerda nos horários), e ligeiramente para trás, anulando a tendência em picar.
Sendo necessário ter em mente que para uma boa auto-rotação deve-se levar em consideração a altura do vôo, a velocidade de deslocamento e a rotação do rotor principal.

-Coletivo – Em mínimo, o ar (de baixo para cima) mantém o rotor girando, desde que seja comandado passo mínimo imediatamente.
-Manete de RPM – Totalmente fechada, em caso de auto-rotação real, para que em caso do motor voltar a funcionar não haver um disparo de RPM; na auto-rotação simulada, manter em marcha lenta, para que o motor não pare realmente.
-Pedais – Aplicar o pedal direito para manter a proa do helicóptero, não existindo mais o torque do motor, não existe há necessidade do pedal esquerdo. Não aplicar o pedal para fazer curvas, pois o uso do pedal pode roubar até 10% da potência do rotor principal.
Em caso de variação de RPM durante a auto-rotação:
Disparo – Coletivo ligeiramente para cima, aumentando o arrasto, e consequentemente diminuindo a RPM;
Queda – Cíclico ligeiramente para frente, aumentando a velocidade de deslocamento, que vai aumentar a razão de descida, que por sua vez aumentará a velocidade do fluxo de ar aumentando a RPM o rotor principal.
NOTA: 01- Um ganho momentâneo de RPM é conseguido levando-se o cíclico para trás, porém, é um ganho momentâneo, pois quando o cíclico for levado a sua posição inicial, a RPM voltará a cair.
      02- No procedimento para auto-rotação com helicóptero pesado, vento forte, helicóptero pesado e AD elevada, a velocidade deverá ser ligeiramente maior que a recomendada, para uma menor razão de descida.
          Com helicóptero leve, vento fraco, helicóptero leve e AD baixa, a velocidade deverá ser ligeiramente menor que a recomendada, para uma menor razão de descida.
      03- Em curva a RPM tende a aumentar, quanto menor o raio de curva, maior a tendência.

      04- Em auto-rotação a velocidade é o controle primário de razão de descida. De zero a 60 MPH, grande razão de descida; 60 MPH, melhor razão de descida; acima de 60 MPH, a razão de descida volta a aumentar.
                     1 e 2- coletivo em baixo (mínimo)
                            e manete de rpm toda fechada;
                         3- manter velocidade de deslocamento
                            e rpm do rotor principal;
                         4- flare- cíclico para trás, diminuindo
                                   a velocidade de deslocamento;
                         5- cíclico para frente (ligeiramente a frente
                            do neutro, nivelando o trem de pouso com o
                            solo);
                         6- puxar coletivo, amortecendo o toque com o
                            solo.

ESTABILIDADE
Para um corpo estar em equilíbrio é necessário que todas as forças que atuam sobre o mesmo estejam equilibradas por forças de mesma intensidade e direções opostas, sendo que a soma dos momentos também deve ser nula.
O equilíbrio divide-se em Estático e Dinâmico.
     .ESTÁTICO – Leva em consideração a tendência ao retorno ou não do helicóptero
                 quando perturbado, desprezando o estado do helicóptero após a
                 aplicação da força.
         .ESTÁVEL (POSITIVO) – Tende a voltar a posição inicial de equilíbrio;
         .INSTÁVEL (NEGATIVO) – Tende a afastar o helicóptero da posição inicial;
         .INDIFERENTE (NEUTRO) – Tende a equilibrar-se em uma nova posição.
OBS: A tendência não garante o retorno e a permanência à posição inicial.

     .DINÂMICO – Leva em consideração a resultante do movimento no tempo,
                 analisando a maneira que o helicóptero reage à força aplicada;
                 maneira como volta ou não a posição inicial.
         .ESTÁVEL (POSITIVA) – Tende a voltar com oscilações de amplitude
                               decrescentes e suaves;
         .INSTÁVEL (NEGATIVA) – Tende a retornar a posição inicial com oscilações
                                de amplitude crescentes e bruscas, não conseguindo
                                o objetivo;
         .INDIFERENTE (NEUTRA) – Tende a retornar a posição de equilíbrio em uma
                                 nova posição.

No helicóptero a estabilidade dinâmica positiva e neutra, só é encontrada com a atuação do comando cíclico, pois seu vôo depende de uma determinada instabilidade.

OBS: A tendência em continuar na direção da força comprova a instabilidade estática e o aumento da amplitude a instabilidade dinâmica.

                                         ESTÁVEL
                     ESTÁVEL E DINÂMICO  INSTÁVEL
          ESTÁTICO   INSTÁVEL            INDIFERENTE
                     INDIFERENTE





PRECAUÇÕES GERAIS

1) Faça um pré-vôo criterioso, isto pode salvar sua vida;

2) Não faça manobras acrobáticas;

3) Não cheque os magnetos em vôo;

4) Cuidado ao ajustar a mistura em vôo;

5) Taxi deve ser feito a baixa altura e baixa velocidade;

6) Checar carga útil antes do vôo (passageiros devidamente acomodados e com cinto
   de segurança, bagagens balanceadas e amarradas, quantidade de combustível e
   óleo);

7) Muita atenção quando for pairar a sotavento de um obstáculo (área de
   turbulência);

8) Evitar o pairado dentro da Curva do Homem Morto;

9) Sempre faça um pairado, dentro de Efeito de Solo, antes de iniciar um vôo;

10) Em área turbulenta reduzir a velocidade e manter a RPM no recomendado;

11) Sempre clarear a área antes de uma manobra, principalmente quando praticando
    auto-rotação, quando se deve, também clarear a área abaixo do helicóptero;

12) Cuidado com os objetos soltos dentro da cabine, inclusive os cintos de
    segurança que não estão sendo utilizados devem ser travados, pois podem
    prender os comandos;

13) Em qualquer tipo de vôo manter, se possível, dois referenciais externos;


Recomendações de Segurança

Voar bem (ter bom pé e mão) não significa voar com segurança, pois as condições atmosféricas podem alterar consideravelmente a performance da aeronave e, também,  tem-se que levar em conta as limitações de uma determinada aeronave.
Todas aeronaves possuem um manual (Manual de Vôo) onde são encontradas todas as informações de limitações e performance, que devem ser seguidas para um vôo seguro.
Não esquecer, que um bom pré-vôo evita uma porcentagem imensa de acidentes. E neste pré-vôo, não esquecer de olhar o combustível (antes de qualquer deslocamento da aeronave), tanto em quantidade como em impurezas.
Voar, sempre que possível, fora do limite da curva do homem morto, manter condição de vôo, quando visual estimar com bastante precisão as distâncias necessárias.
Principalmente  na aproximação, determinar a direção e velocidade do vento e manter, sempre que possível, uma baixa razão de descida.
Assim como, também, deve-se estar atento para os obstáculos terrestres (principalmente torres e cabos), tráfego aéreo, pássaros (principalmente quando em bandos) e uma área para um possível pouso de emergência.


CONDIÇÕES DE VÔO x PERFORMANCE

Determinados fatores devem ser observados quando se estuda a performance de um helicóptero, e dentre destes pode-se destacar a velocidade de deslocamento, peso, densidade e vento atmosférico.

VELOCIDADE: Um dos mais importantes aspectos na avaliação da performance, pois com a variação da velocidade tem-se a variação do arrasto e variação da eficiência do rotor (sustentação de deslocamento). E necessariamente a variação da potência.

PESO: O maior ou menor peso tem uma variação direta no ângulo de ataque das pás, maior peso maior ângulo o que implicará numa maior solicitação de potência. Limitando por sua vez a velocidade de deslocamento, altura do pairado, inclinação nas curvas e razão de subida.

DENSIDADE: Com a diminuição da densidade (varia com a pressão, temperatura, altitude e umidade), tanto o motor como o rotor perde eficiência e com esta perda faz-se necessário um aumento do ângulo de ataque, que por sua vez implicará em uma maior solicitação de potência.

VENTO ATMOSFÉRICO: Um vento variando de moderado a “forte” é benéfico para o vôo do helicóptero, principalmente em baixa velocidade, pois a velocidade do vento aumenta a eficiência do rotor principal.




Em relação à temperatura (densidade)





Em relação à altitude (densidade)





Em relação ao peso



Em relação a umidade



Em relação ao vento


Teto Operacional- Altitude máxima para o vôo pairado.

Teto de Serviço(Prático)- É maior que o operacional, voando somente com deslocamento; tendo uma razão de subida igual a 100 FT/min.

Teto Absoluto- Voa somente com deslocamento, razão de subida é igual a zero, onde a velocidade máxima, maior alcance e maior autonomia se igualam.

Velocidade de Máxima Razão de Subida- Ganha altura o mais rápidamente possível.

Velocidade de Máximo Ângulo de subida- Sobe com o maior ângulo, é menor que a de máxima razão.



MANOBRAS DE VÔO


1) DECOLAGEM PARA O VÔO PAIRADO
É a manobra executada pelo piloto, na qual após a decolagem, manterá o helicóptero sem deslocamento, a uma altura que deverá ser menor que a altura do Efeito de Solo (altura recomendada +/- 2 metros).
A) Acelere para RPM recomendada (para o vôo);
B) Puxar o coletivo suave e continuamente, trabalhando coordenadamente com a manete (para manter a RPM) e pedal (para manter a proa);
C) Marque um ponto no solo, use o cíclico para evitar o deslocamento horizontal (deve ser usado de acordo com o vento - sentido contrário - e o CG - balanceamento do helicóptero);
D) Use os pedais para manter a proa, que deve ser contra o vento;
E) Prestar especial atenção no Manifold Pressure (mede a pressão de admissão do motor);
OBS: O vôo pairado exige uma grande coordenação do piloto, que usará o cíclico para manter o helicóptero imóvel em relação aos eixos lateral e longitudinal, o coletivo para manter a altura e pedais para manter a proa. Sendo que a alteração de qualquer comando resultará em uma ação coordenada nos demais.


2) GIRO NO VÔO PAIRADO
A) Mantenha o helicóptero sobre o ponto escolhido anteriormente, utilizando o cíclico;
B) Mantenha a altura (Coletivo e manete) e velocidade de giro (pedal) constante;
C) Iniciar os giros sempre pela esquerda, se o helicóptero não girar pela esquerda, não tentar o giro pela direita, pois poderá não haver força suficiente para pará-lo.
OBS: 1- Giro pela esquerda diminui a RPM do motor (perdendo altura);
     2- Giro pela direita aumenta a RPM do motor (ganhando altura);
     3- Lembrar que em relação à proa do helicóptero, o vento sofrerá uma alteração, dando a tendência de cabrar com vento de proa e picar com vento de cauda.

3) VÔO OU ROLAGEM LATERAL
É a manobra realizada quando não é possível girar o helicóptero para um deslocamento ou rolagem à frente (exemplo: vento forte no qual uma mudança de proa exigirá maior potência do motor). Deve-se manter o helicóptero sempre que possível aproado ao vento.
1- Marque duas referências externas, na mesma linha, na direção do vôo e mantenha as duas alinhadas durante o vôo;
2- Para iniciar o vôo aplicar uma pressão no cíclico na direção desejada;
3- Existirá uma tendência do helicóptero em aproar o vento relativo, devendo esta ser anulada com a utilização dos pedais (geralmente pedal contrário ao deslocamento).

4) VÔO PARA TRÁS
Manter um especial cuidado com os deslocamentos para trás, a intensidade de comando é menor que para frente e a distância entre piloto e rotor de cauda é relativamente grande, necessitando de uma boa avaliação  das distâncias e uma   boa clareada a área pretendida.
1- Marque duas referências à frente do helicóptero, na mesma linha da proa;
2- Coloque o cíclico para trás e mantenha as referências;
3- Cuidado com o rotor de cauda para não bater em algum obstáculo ou no solo;
4- Muita atenção com os pedais, o vôo para trás exigirá maior coordenação destes.
OBS: Vôos para trás devem ser evitados, quando necessário deverão ser feitos a baixa velocidade.

5) DECOLAGEM NORMAL( Partindo do pairado )
Paire o helicóptero aproado ao vento, aumentado simultânea e suavemente a velocidade (cíclico para frente) e mantendo a altura com o coletivo (puxar coletivo), tente manter a fuselagem o maior tempo possível nivelada ao solo, evitando um arrasto desnecessário e uma atitude muito “radical”.
1- Com o helicóptero no pairado cheque o funcionamento do motor (potência necessária, disponível e RPM), ação dos comandos e balanceamento;
2- Ao atingir a sustentação de deslocamento o helicóptero começa a ganhar altura, ajuste a velocidade e pressão de admissão para o recomendado (melhor razão de subida);
3- Com o aparecimento do vento relativo será necessário diminuir a quantidade de comando do pedal esquerdo (vento relativo ajuda a compensar o torque);
4- Um pouco antes de atingir a altitude desejada, novamente ajustar pressão de admissão e velocidade para o vôo de cruzeiro.


 Velocidade x subida

6) DECOLAGEM COM VENTO DE TRAVÉS
Quando não for possível uma decolagem com o vento aproado.
1- A deriva (tendência de deslocamento do helicóptero), deve ser compensada com o cíclico, que deve ser inclinado na direção contrária ao vento;
2- Manter a proa com os pedais, pressionando o pedal do lado oposto ao vento;
3- Este procedimento deve ser mantido até 50 ft no mínimo, quando o helicóptero deverá ser aproado ao vento, onde o piloto deverá continuar com o procedimento de uma decolagem normal.

7) VÔO DE CRUZEIRO
Vôo de cruzeiro é aquele no qual são mantidos constantes proa, velocidade e altura.
1- Quanto maior a velocidade maior a potência necessária para manter a altura do vôo;
2- Aumentar o passo coletivo e mantida a velocidade o helicóptero ganha altura, diminuindo o passo coletivo e mantida a velocidade o helicóptero perde altura;
3- Aumentando a velocidade e mantido o passo coletivo (potência) o helicóptero perde altura, diminuída a velocidade e mantido o passo coletivo o helicóptero ganha altura;
4- O helicóptero é uma aeronave instável, se uma rajada de vento provocar uma atitude diferente, esta tende a acentuar-se cada vez mais, necessitando de uma interferência do piloto para voltar à situação desejada. O piloto deve estar bem alerta e “voar” o helicóptero o tempo todo.

8) CURVAS
As curvas aumentam o fator carga consideravelmente e diminuem a sustentação, quanto menor o raio da curva, maior o fator carga e menor a sustentação.

A) Curva Nivelada
1- Antes de iniciar a curva ou qualquer manobra clareie a área pretendida;
2- Aplique o cíclico na direção desejada, não usar pedal (pedal é para contrariar o torque);
3- De acordo com o grau de inclinação, torna-se necessário o uso do cíclico à frente para manter a velocidade;
    Derrapagem, a razão de giro é muito grande em relação à inclinação(curva demasiadamente fechada) fazendo o helicóptero deslizar para fora do centro da curva (centrífuga maior que centrípeta). É causada pelo excesso de pedal no sentido da curva ou pedal insuficiente no sentido contrario da curva.
    Glissada, a razão de giro é muito pequena em relação ao ângulo de inclinação, fazendo o helicóptero deslizar para o centro da curva (centrípeta maior que centrífuga). É causada pela insuficiência de pedal no sentido da curva ou excesso no sentido contrário.
    OBS: É possível ocorrer uma glissada no vôo reto nivelado, bastando um lado do helicóptero estar mais pesado e a rota mantida pelo uso dos pedais, técnica igual é usada para anular o vento.
B) Curva Subindo ou Descendo
O mesmo procedimento anterior, só que com aumento ou diminuição de potência e/ou velocidade. Sendo que o helicóptero tem a tendência de perder altura durante as curvas.

9) SUBIDA NORMAL A PARTIR DO VÔO DE CRUZEIRO
1- Comande o cíclico para trás ou aumente a potência, com as devidas correções;
2- Para nivelar ajuste a atitude do cíclico (para frente) um pouco antes da altitude desejada;
3- mantenha a potência até a velocidade de cruzeiro, então ajuste a potência para a nova altitude.

10) DESCIDA NORMAL A PARTIR DO VÔO DE CRUZEIRO
1- Leve o cíclico ligeiramente à frente ou diminua a pressão de admissão, com as devidas correções;
2- Para nivelar ajuste, um pouco antes do pretendido, a atitude (cíclico para trás);
3- Manter a potência até a velocidade de cruzeiro, então ajustar para a nova altitude.

11) APROXIMAÇÃO
É o procedimento compreendido entre o vôo de cruzeiro e o vôo pairado (que neste caso deve ser feito dentro do efeito de solo). A sustentação de deslocamento deve ser mantida por maior tempo possível, independentemente do tipo de aproximação escolhido. Também o ângulo de descida (rampa) deve ser mantido constante, para uma maior facilidade, coincida um ponto da área de pouso com um ponto do helicóptero e manter os dois coincidindo até o pouso.
Existem 03 tipos de aproximação: pequeno, normal e de grande ângulo e a escolha deve ser feita levando-se em consideração vários fatores, tais como: tamanho da área de pouso, obstáculos, altitude densidade, direção e velocidade do vento, peso bruto do helicóptero e potência disponível.

A) APROXIMAÇÃO DE PEQUENO ÂNGULO
É a aproximação utilizada quando da necessidade de um pouso corrido (falta de potência, falta do rotor de cauda ou excesso de peso), necessitando de uma área grande, plana e consistente. É feita com +/- 5° a +/- 12° de ângulo de descida, perdendo-se mais altura que velocidade.
1- Manter velocidade recomendada;
2- Baixar o coletivo (controlar o toque no solo, que deve ser o mais suave possível);
3- Após o toque, não deixar que haja uma mudança repentina na proa, que deve ser controlada com os pedais;
4- Não colocar o cíclico para trás, antes da parada total do helicóptero (poderá decolar novamente ou bater com a cauda no chão)
5- Após o toque baixar suave e continuamente o coletivo, para que a parada total não seja muito brusca.


Visão do heliponto
B) APROXIMAÇÃO NORMAL
Aproximação feita com um ângulo de +/- 12°, a velocidade de aproximação deve ser mantida o maior tempo possível, até +/- 50 ft, para evitar a curva do homem morto. Dependendo do peso, densidade e vento a velocidade pode ser zerada (vôo pairado) a alguns metros antes da área de pouso, para que se possa checá-la antes do toque.
Por suas características deve ser a aproximação mais utilizada.
Perde-se velocidade e altura na mesma proporção.


Visão do heliponto

C) GRANDE ÂNGULO
Este tipo de aproximação é usada quando da existência de obstáculos, impedindo uma aproximação  normal,  sendo  também  utilizada  para  pousos em helipontos elevados (edifícios, picos de morros e período noturno) evitando a área de turbulência, já que os pousos devem ser feitos com vento de proa. É feita com um ângulo de descida compreendido entre +/- 12° e +/- 20°, sendo realizada a semelhança de uma aproximação normal, com o ponto de início de descida mais próximo da área de pouso, perdendo-se mais velocidade que altura.


Visão do heliponto

OBS: Para um pouso em heliponto elevado é recomendada uma aproximação de grande ângulo, evitando a área de turbulência criada pelo vento.



Exemplos de aproximação em relação ao vento


12) POUSO
Após a aproximação, com o helicóptero no pairado, usa-se o cíclico para anular a tendência em derivar e os pedais para manter a proa. Feito isto, começa-se a baixar o coletivo, suavemente até o toque do helicóptero com o solo.

13) POUSO CORRIDO
Este recurso é utilizado, após uma aproximação de pequeno ângulo, em elevada altitude densidade, peso excessivo (constatando que a potência disponível não será suficiente para um pouso normal) ou uma pane no rotor de cauda logo após a decolagem. A área de pouso ter tamanho suficiente, plana e compacta.
1- Manter a velocidade de aproximação até +/- 50 ft;
2- Após a diminuição da velocidade o helicóptero tende a perder altura rapidamente, tendência que deve ser anulada com o uso do coletivo;
3- O trem de pouso deve estar paralelo ao solo e alinhado com a trajetória descrita;
4- Após o toque utilizar os pedais para que não haja uma mudança significativa e repentina na proa;
5- Mantenha o cíclico ligeiramente à frente, caso contrário o helicóptero poderá decolar de novo, ou poderá ocorrer um choque da pá com a cauda ou um choque do rotor de cauda com o solo.
6- Não baixe o coletivo repentinamente e sim suave e progressivamente. No caso de um comando brusco ou repentino haverá uma parada muito brusca do helicóptero, forçando todo o sistema de transmissão desnecessariamente e podendo provocar uma pilonada.

14) DECOLAGEM CORRIDA
Quando os fatores de uma decolagem normal não forem favoráveis, tais como: elevada altitude densidade ou excesso de peso, pode-se optar por uma decolagem corrida, desde que a área seja plana, compacta e de tamanho suficiente para tal.
1) Aproar o vento;
2) Antes da decolagem corrida tentar um pairado momentâneo, se a potência não for suficiente para tal, não tentar a decolagem corrida pois não haverá potência para esta;
3) A área à frente deve ser livre de obstáculos, devido à pequena razão de subida;
4) Cíclico à frente, puxar o coletivo para o helicóptero começar a deslizar no solo;
5) Ao atingir a sustentação de deslocamento, cíclico ligeiramente para trás, o helicóptero decolará. Manter uma pequena razão de subida, evitando curvas até uma altura segura (+/- 50 ft); daí em diante entrar no envelope de vôo normal.

15) DECOLAGEM DE MÁXIMA PERFORMANCE
É a decolagem utilizada quando operando em áreas restritas para ultrapassar os obstáculos existentes. Principalmente para este tipo de decolagem é necessário que o piloto tenha em mente as limitações de sua aeronave, direção e velocidade do vento, densidade, peso, posição do CG, altura e distância dos obstáculos, para uma avaliação da possibilidade ou não da manobra.
1- Aproar o vento;
2- RPM e potência para o máximo permitido;
3- Cíclico ligeiramente à frente;
4- Após cruzar o obstáculo, estabelecer um padrão normal de subida.
OBS: Neste tipo de manobra o helicóptero permanecerá por um longo período dentro da curva do homem morto.

16) OPERAÇÃO EM ÁREA RESTRITA
Área restrita é qualquer área onde a operação é limitada pela existência de obstáculos ou fatores adversos ao vôo do helicóptero.
Onde o pouso ou decolagem são feitos próximo a obstáculos, a ponto de causar turbulência.
1) Fazer uma passagem alta, avaliando as dimensões da área de pouso.
1.a)Prestar atenção na direção e velocidade do vento, na inexistência de um controle ou indicador de direção e velocidade do vento (biruta) usar qualquer referência próxima à área de pouso (árvores, mato alto, bandeiras hasteadas, roupa secando ou outra referência).
1.b) Observar a existência de fios elétricos ou não na área de pouso.
2) Haverá uma área turbulenta sempre a sotavento (depois) dos obstáculos, em caso de vento forte, também haverá turbulência a barlavento (antes) dos obstáculos.
Fazer uma passagem baixa, confirmando os itens da passagem alta e avaliar a potência necessária para o pouso.
3) Mantenha um baixo ângulo de subida ou descida; é melhor ultrapassar um obstáculo próximo, porém com potência sobrando, do que alto e sem potência de sobra.
4) Cuidado com o rotor de cauda, livrá-lo de obstáculos até o pouso e no pairado evitar fazer giros sem antes clarear a área.
Obs.:
1) Nunca pouse em um local onde não tenha certeza da decolagem, principalmente em local com árvores muito altas e muito próximas a área de pouso.
2) Planejar a trajetória de aproximação, levando em consideração a possível falha do motor, neste caso onde se poderia fazer um pouso forçado. Às vezes é mais interessante fazer uma aproximação com vento de través, porém com uma área livre para um pouso em caso de emergência.

17) POUSO EM TERRENO INCLINADO
Levar em conta a performance do equipamento em uso, o que é pouco para um pode ser muito para outro.
1) Pousar sempre a 90° com a inclinação do terreno, independentemente da direção do vento;
2) Baixar suavemente o coletivo, o esqui do lado mais alto da elevação tocará primeiro, aplique o cíclico nesta direção. Continuar baixando o coletivo e inclinando o cíclico até o esqui do outro lado tocar o solo. Neste ponto, baixar o restante do coletivo, mantendo o cíclico constante.

3) Manter RPM de decolagem, caso haja uma escorregada do Hel, a decolagem deve ser imediata.

18) AUTO-ROTAÇÃO
É a manobra que permite um pouso seguro, em caso de falha do motor, pois o piloto tem um completo comando sobre o helicóptero.
1) O ponto para o pouso em auto-rotação já deve ter sido estabelecido, mesmo com o motor em funcionamento;
2) Comandar coletivo em mínimo imediatamente, provavelmente aplicar o pedal direito e fechar toda a manete de RPM;
3) Manter a velocidade dentro do recomendado para estabelecer a melhor razão de descida, pois a velocidade passa a ser o controle primário de altura (para a maioria dos helicópteros 50 a 60 MPH);
4) Não utilizar, em hipótese alguma os pedais durante as curvas, a utilização destes, principalmente o esquerdo diminui a velocidade do helicóptero e consequentemente a RPM;
5) Evitar o pouso com vento de cauda;
6) Na altura recomendada pelo fabricante (+/- 50 ft) faça o flare (cíclico para trás), mantenha sempre o horizonte a vista. Haverá um aumento momentâneo da RPM;
7) Com a velocidade próxima do zero e prestando atenção para que a cauda do helicóptero não bata no chão ou em algum obstáculo, nivelar a atitude do helicóptero, levando o cíclico à frente;
8) Sem velocidade o helicóptero começará a perder altura acentuadamente, puxe o coletivo para amortecer o pouso. Caso a puxada do coletivo seja demasiada, o helicóptero começará a subir perdendo RPM, o que configura uma situação bastante drástica.

Faça o teste GR IV

Nenhum comentário:

Postar um comentário